Recentemente a Adobe incluiu a cadeia de certificação ICP-Brasil como confiável por padrão no seu popular software leitor de PDFs, o Adobe Reader. Isto ocorreu através da inclusão da AC Raiz da ICP-Brasil no Adobe Approved Trust List.

Porém a novidade veio com uma surpresa: a Adobe decidiu restringir esta confiança à assinaturas realizadas por certificados A2, A3 e A4. Portanto, assinaturas realizadas por A1 passaram a ser exibidas como inválidas no Adobe Reader, atingindo mesmo quem já tinha configurado o aplicativo com a cadeia ICP-Brasil sem qualquer restrição deste tipo.

A mudança repentina e para muitos inesperada reacendeu algumas discussões relacionadas ao uso deste tipo de certificado: porque a Adobe decidiu não aceitar certificados A1? Esse tipo de restrição é permitido pela ICP-Brasil? O certificado A1 é menos seguro ou vale menos que os demais?

Os certificados A1 são certificados ICP-Brasil que não exigem proteção por hardware criptográfico. Tem, portanto, diferença significativa quanto a sua proteção. Mas de quem é a responsabilidade por avaliar e garantir a segurança de um certificado?

Com nosso novo ebook: Certificados A1, buscamos lançar luz sobre algumas destas questões, esclarecendo algumas dúvidas comuns sobre o certificado A1 e destacando algumas características dos certificados ICP-Brasil que devem ser consideradas na análise. Discutimos as restrições ao A1, tanto no software Adobe Acrobat Reader quanto em outras soluções do mercado, e apresentamos dicas de como utilizar um certificado A1 com segurança.